Informação da revista
Vol. 31. Núm. 3.
Páginas 251-252 (Março 2012)
Partilhar
Partilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 31. Núm. 3.
Páginas 251-252 (Março 2012)
Imagem em cardiologia
DOI: 10.1016/j.repc.2012.01.010
Open Access
Imagem tubular «transversal ao septo interauricular»
Tubular image crossing the atrial septum
Visitas
...
Ricardo Faria??
Autor para correspondência
ricardofaria555@gmail.com

Autor para correspondência.
, Vasco Marques, Walter Santos, Rui Ferrinha, Nuno Marques, Veloso Gomes
Serviço de Cardiologia, Hospital de Faro, Faro, Portugal
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (5)
Mostrar maisMostrar menos
Texto Completo
Caso clínico

Mulher de 67 anos, com antecedentes de esclerodermia e hipertensão arterial, sem sintomas cardíacos prévios, foi internada para avaliação do envolvimento sistémico da esclerodermia. Ao exame objetivo apresentava um sopro sistólico no apex grau ii/vi. O eletrocardiograma revelou ritmo sinusal e bloqueio fascicular anterior esquerdo. O ecocardiograma mostrou na incidência para-esternal esquerda eixo longo uma imagem tubular anómala em continuidade com a parede anterior da aorta ascendente (Figura 1). Em para-esternal eixo curto a nível da aorta é visível a mesma estrutura tubular circundando a aorta (Figura 2). Em apical quatro câmaras observou-se a imagem tubular com 2mm de diâmetro com 42mm de comprimento, transversal ao septo interauricular. Não foram identificados a origem e o fim da estrutura. Com Doppler de cor observou-se fluxo no seu interior (Figuras 3 e 4). Pelo facto de se suspeitar de uma estrutura vascular, realizou-se cateterismo cardíaco, que revelou uma origem anómala da artéria coronária esquerda (ACE) a partir do segmento proximal da coronária direita com trajeto epicárdico e anterior à aorta (Figura 5). Os achados ecocardiográficos mais associados à esclerodermia são a hipertensão pulmonar e o envolvimento pericárdico incluindo a pericardite fibrinosa. Não há casos descritos da associação entre esclerodermia e origem anómala das artérias coronárias, pelo que este caso poder-se-á tratar de uma coincidência. A origem da ACE a partir do óstio da coronária direita ocorre em apenas 0,15%1 da população, estando associada a morte súbita2.

Figura 1.

Incidência para-esternal esquerda, eixo longo, identificando-se uma imagem tubular (seta) em continuidade com a parede anterior da aorta.

(0,06MB).
Figura 2.

Incidência para-esternal esquerda, eixo curto, a nível da aorta, identificando-se uma imagem tubular (seta) circundando a aorta.

(0,09MB).
Figura 3.

Incidência apical 4-câmaras com imagem tubular (seta) transversal ao septo interauricular.

(0,08MB).
Figura 4.

Incidência apical 4-câmaras, com Doppler de cor revelando existência de fluxo no interior da imagem tubular (seta).

(0,1MB).
Figura 5.

Angiografia coronária (incidência oblíqua anterior esquerda caudal): origem anómala da ACE (seta) com trajeto anterior à aorta.

(0,1MB).
Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Bibliografia
[1]
Coronary Artery Anomalies: A Comprehensive Approach, pp. 42
[2]
Y. von Kodolitsch, O. Franzen, G.K. Lund, et al.
Coronary artery anomalies Part II: Recent insights from clinical investigations.
Z Kardiol (Germany), 94 (2005), pp. 1-13
Copyright © 2011. Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Idiomas
Revista Portuguesa de Cardiologia

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

Ao assinalar que é «Profissional de Saúde», declara conhecer e aceitar que a responsável pelo tratamento dos dados pessoais dos utilizadores da página de internet da Revista Portuguesa de Cardiologia (RPC), é esta entidade, com sede no Campo Grande, n.º 28, 13.º, 1700-093 Lisboa, com os telefones 217 970 685 e 217 817 630, fax 217 931 095 e com o endereço de correio eletrónico revista@spc.pt. Declaro para todos os fins, que assumo inteira responsabilidade pela veracidade e exatidão da afirmação aqui fornecida.