Informação da revista
Vol. 40. Núm. 12.
Páginas 985.e1-985.e5 (Dezembro 2021)
Partilhar
Partilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Visitas
...
Vol. 40. Núm. 12.
Páginas 985.e1-985.e5 (Dezembro 2021)
Caso Clínico
Open Access
Síndrome coronária aguda em doente com hemofilia A grave: decisões difíceis
Acute coronay syndrome in a patient with severe hemophilia A: Dificult decisions
Visitas
...
Inês Aguiar Ricardoa,
Autor para correspondência
ines.a.ricardo@gmail.com

Autor para correspondência.
, João Agostinhoa, Artur Pereirab, Fátima Rodriguesb, Dulce Britoa, Fausto J. Pintoa, Cristina Catarinob, Mónica Mendes Pedroa
a Cardiology Department, Hospital de Santa Maria, Centro Académico de Medicina de Lisboa, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal
b Immunohemotherapy Department, Hospital de Santa Maria, Centro Académico de Medicina de Lisboa, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal
Informação do artigo
Resume
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Resumo

A hemofilia A é uma doença hereditária da coagulação caracterizada por uma deficiência de fator VIII (FVIII) e que, principalmente nas suas formas graves, está associada a um risco hemorrágico elevado. Com o aumento da esperança média de vida destes doentes, a prevalência de eventos coronários agudos tem aumentado, mas a experiência na abordagem destes permanece escassa. A estratégia de atuação nos eventos coronários agudos em doentes hemofílicos, como demonstrado no presente caso, representa um verdadeiro desafio, não só pela necessidade de terapêutica anti‐agregante plaquetária (a qual, sendo indispensável para prevenção de trombose de stent, aumenta o risco hemorrágico), como também pela inexistência de recomendações específicas relacionadas com a terapêutica substitutiva mais adequada e segura nestas situações. Os autores descrevem o caso de um homem de 48 anos, com angina instável e diagnóstico prévio de hemofilia A grave, submetido a intervenção coronária percutânea sob terapêutica com FVIII sem complicações hemorrágicas.

Palavras‐chave:
Síndrome coronária aguda
Angina instável
Hemofilia A
Fator VIII
Risco hemorrágico
Abstract

Hemophilia A is an inherited coagulation disease characterized by a factor VIII (FVIII) deficiency and is associated with high hemorrhagic risk, especially in its severe forms. As the average life expectancy of patients with hemophilia has increased, so has the prevalence of acute coronary events. There is however limited experience in dealing with them. The strategy of acting on acute coronary events in patients with hemophilia, as demonstrated in the present case, is a real challenge, not only due to the need for antiplatelet therapy (which is essential in the prevention of stent thrombosis, but increases hemorrhagic risk), but also due to the lack of specific recommendations related to the most adequate and safe replacement therapy in these situations. The authors describe the case of a 48‐year‐old man with unstable angina and a previous diagnosis of severe hemophilia A who underwent percutaneous coronary intervention under FVIII therapy without hemorrhagic complications.

Keywords:
Acute coronary syndrome
Unstable angina
Hemophilia A
Factor VIII
Hemorrhagic risk
Texto Completo
Introdução

A hemofilia A é um distúrbio hereditário grave da coagulação caracterizado pela deficiência de atividade coagulante do FVIII e que se associa a um risco hemorrágico importante. Esta doença está associada a alterações no gene do FVIII, localizado no braço longo do cromossoma X pelo que afeta quase exclusivamente homens, sendo as mulheres habitualmente apenas portadoras da mutação.

A gravidade da doença depende do nível de FVIII classificando‐se em ligeira (FVIII > 5%) moderada (FVIII 2‐5%) e grave (FVIII < 1%), sendo a prevalência destes três graus de gravidade respetivamente de 50%, 10% e 40%.1

O quadro clínico da hemofilia é caracterizado por episódios hemorrágicos, espontâneos ou relacionados com traumatismos, principalmente a nível articular (hemartroses) e muscular. As hemorragias articulares repetidas levam a uma progressiva incapacidade funcional (artropatia hemofílica), enquanto outros tipos de hemorragia, como é o caso das hemorragias do sistema nervoso central, podem ser fatais se não corretamente tratadas. Os procedimentos cirúrgicos constituem um risco nas pessoas com esta patologia, pelo que qualquer manobra invasiva implica uma terapêutica adequada e acompanhamento por uma equipa multidisciplinar.

Nas últimas décadas, verificou‐se um notável avanço nas opções terapêuticas para a hemofilia com a crescente disponibilidade de concentrados de fator, eficazes na prevenção e tratamento dos episódios hemorrágicos. Estas terapêuticas permitiram um aumento da esperança média de vida destes doentes de < 30 anos para cerca de 70 anos2, sendo semelhante à da população em geral. No entanto, a terapêutica com o fator em falta é igualmente responsável pela complicação iatrogénica mais grave nestes doentes, o desenvolvimento de anticorpos (inibidores) contra o fator em défice. Estes anticorpos, que se desenvolvem em 30‐40% dos doentes e, na maioria dos casos, nos primeiros 20 dias de exposição à terapêutica3, tornam a terapêutica ineficaz e comprometem gravemente as opções terapêuticas e o prognóstico destes doentes. A etiopatogenia do desenvolvimento de inibidores parece ser multifactorial e depende de fatores genéticos e não genéticos4. No caso destes últimos, a intensidade do tratamento (definido como mais de cinco dias de tratamento) constitui um fator de risco bem estabelecido5.

Relativamente ao risco de eventos trombóticos, e ao contrário do que faria sentido pensar, este mantém‐se apesar do elevado risco hemorrágico destes doentes. Independentemente de qualquer efeito protetor que se possa associar ao defeito da coagulação, os mesmos fatores que contribuem para as doenças cardiovasculares na população geral apresentam também impacto na população hemofílica. Os indivíduos com hemofilia são particularmente vulneráveis ao desenvolvimento de síndrome metabólica, dada a prevalência de obesidade e inatividade resultante da artropatia hemofílica6. A hipertensão arterial parece ser igualmente mais frequente em doentes hemofílicos do que na população em geral7 e embora o mecanismo ainda não esteja completamente esclarecido, supõe‐se que exista uma associação com doença renal microangiopática8.

As doenças cardiovasculares são uma importante causa de morbilidade e mortalidade em todo o mundo. Nos últimos anos, e com o já referido aumento da longevidade dos doentes hemofílicos e inerente presença de comorbilidades associadas ao envelhecimento, tem‐se assistido a um aumento dos eventos cardiovasculares nesta população6.

O tratamento da síndrome coronária aguda (SCA) em doentes hemofílicos é um verdadeiro desafio porque, se por um lado a anticoagulação e a antiagregação aumentam o risco hemorrágico (já elevado por si só nestes doentes), por outro lado a correção da anticoagulação com o fator em défice aumenta o risco de trombose.

O presente caso clínico descreve uma situação de SCA em doente com hemofilia A grave submetido a manobra invasiva, sem complicações hemorrágicas ou trombóticas e demonstra a importância da abordagem destas situações por uma equipa multidisciplinar.

Caso clínico

Os autores descrevem o caso de um homem de 48 anos, natural de Cabo Verde, evacuado do país de origem por angina instável. O doente tinha como antecedentes pessoais conhecidos diabetes tipo 2 e hemofilia A grave. Para além da terapêutica com antidiabéticos orais encontrava‐se medicado com ácido acetilsalicílico (AAS) 100mg/dia. Apesar de referir inúmeros episódios de hemartrose e apresentar já alterações articulares crónicas, nunca tinha efetuado qualquer terapêutica para esta patologia. Nos antecedentes familiares havia referência a três sobrinhos e um irmão (que faleceu por hemorragia intracraniana aos 15 anos), com o diagnóstico de hemofilia A grave (figura 1).

Figura 1.

Heredograma do doente.

(0,07MB).

O doente referia queixas de angor de esforço com cerca de 6 meses de evolução, de agravamento progressivo, que evoluiu para dor em repouso (classe IV da Canadian Cardiology Society [CCS]). Iniciou ácido acetilsalicílico 100mg/dia em Cabo Verde. No momento da avaliação encontrava‐se assintomático. O exame objetivo não apresentava outras alterações, para além de evidência de artropatia bilateral ao nível dos joelhos (figura 2). Analiticamente apresentava tempo de protrombina e contagem de plaquetas normais, tempo de tromboplastina parcial ativada > 100 segundos, FVIII < 1% e pesquisa de inibidores do FVIII negativa. Os marcadores de necrose miocárdica eram negativos e não apresentava outras alterações analíticas à exceção de hemoglobina de 9,1g/dL. O eletrocardiograma mostrava ritmo sinusal, onda Q em aVL, sem outras alterações da repolarização e o ecocardiograma era normal.

Figura 2.

Artropatia bilateral dos joelhos.

(0,1MB).

A situação clínica foi discutida em reunião multidisciplinar, constituída por hematologista especializado em hemofilia, cardiologista clínico e cardiologista de intervenção, tendo sido decidido internamento no Serviço de Cardiologia para ser submetido a coronariografia.

Previamente a este exame invasivo, foram administradas 50 UI/Kg de FVIII, sendo o valor de FVIII pré‐cateterismo de 66%. Previamente à coronariografia, foi ainda realizada uma transfusão de uma pool de plaquetas tendo em conta estudo de agregação plaquetária efetuado por tromboelastometria (ROTEM PLATELET) que indicou uma marcada inibição plaquetária.

A coronariografia revelou doença importante na artéria descendente anterior – estenose ostial de 85% e estenose proximal de 70% até à emergência da primeira diagonal, não tendo os restantes vasos lesões angiograficamente significativas. Foi realizada pré‐dilatação com balão da lesão proximal e ostial da descendente anterior e implantado seguidamente um stent com antiproliferativo 3,5 x 28mm com bom resultado angiográfico final (figura 3).

Figura 3.

A – Lesão crítica da descendente anterior ostial e proximal. B – Angiografia da descendente anterior após implantação de stent 3,5 x 28mm.

(0,07MB).

Foi realizada a dose de carga com 600mg de clopidogrel durante o procedimento e posteriormente foi mantida antiagregação dupla com clopidogrel 75mg e AAS 100mg. Nas 72H após a coronariografia a terapêutica com FVIII foi mantida com intervalos entre 8 e 12H, tendo os níveis de FVIII variado entre 38 e 46%.

Não se verificaram quaisquer complicações hemorrágicas e o internamento decorreu sem intercorrências. O doente teve alta sob AAS e clopidogrel, com indicação para manter a terapêutica dupla durante três meses, interromper posteriormente clopidogrel e manter AAS ad eternum.

Nos primeiros 10 dias efetuou terapêutica substitutiva diária, mantendo níveis de FVIII de cerca de 10%. Posteriormente, e de acordo com os resultados da farmacocinética e com a decisão de manter níveis de FVIII entre 3 e 5%, passou a efetuar terapêutica profiláctica em dias alternados (40 UI/ Kg). Neste doente, e apesar do tratamento intensivo, a pesquisa de inibidores foi sempre negativa.

Discussão

A abordagem de eventos coronários agudos em doentes hemofílicos, como demonstrado no presente caso, representa um verdadeiro desafio. O risco hemorrágico, já de si elevado nestes doentes, é agravado não só pela hipocoagulação, que é necessária durante a angioplastia, como também pela terapêutica antiagregante plaquetária que é indispensável no tratamento da SCA e na prevenção de trombose de stent. Por outro lado, não existem recomendações acerca dos níveis de fator mais adequados e seguros neste tipo de intervenções e durante o período de antiagregação, o que obriga a uma abordagem multidisciplinar e a monitoração rigorosa.

De acordo com a Associação Europeia de Hemofilia, está recomendada uma adequada correção com concentrado de FVIII antes da intervenção coronária percutânea (ICP) e nas 48h seguintes, não especificando o valor alvo mínimo ideal. Assim, pouco está definido para além das linhas orientadoras propostas por um consenso de peritos publicado em 20139 – onde é sugerido que a ICP seja realizada o mais precocemente possível, sob adequada proteção com FVIII, idealmente para valores de FVIII > 80% e que nas primeiras 24h após ICP os níveis sejam ∼ 50%. Este documento propõe também níveis de FVIII entre 5 e 15% durante o tempo de realização de terapêutica antiagregante dupla e > 1% quando sob monoterapia.

No caso deste doente, estes valores propostos pré‐ICP não foram atingidos, mas mesmo assim não se verificaram quaisquer complicações hemorrágicas, tendo os níveis de FVIII > 60% demonstrado ser suficientes e seguros. A decisão de manter terapêutica diária durante apenas 10 dias e, posteriormente, em dias alternados deveu‐se a diversas razões. Se por um lado, e apesar de se tratar de um adulto, os acessos venosos se revelaram uma dificuldade inesperada, o risco de desenvolvimento de inibidores constituía, neste doente, uma complicação a considerar. A experiência relacionada com antiagregação e com anticoagulação na hemofilia, além de escassa, diz respeito a doentes tratados há muitos anos com concentrados de fator e nos quais o risco de desenvolvimento de inibidores é praticamente nulo10. No caso deste doente, o risco de aparecimento de inibidores era elevado dado a primeira exposição ao FVIII exógeno ser efetuada no âmbito de um período de tratamento intensivo, onde o risco de desenvolvimento de anticorpos é máximo5,11.

Apesar da ausência de recomendações para a realização de estudo de agregação plaquetária nestas situações, dado o elevado risco hemorrágico e o facto de o doente já estar medicado com antiagregante previamente, foi ainda decidido realizar tromboelastometria, que mostrou significativa inibição plaquetária e motivou o tratamento com suporte plaquetário.

Durante o cateterismo foram administradas 10500 UI de heparina não fracionada. Apesar de se encontrarem na literatura alguns relatos em que houve preferência pela bivalirudina em doentes hemofílicos12,13,uma vez que esta se associa a uma menor taxa de complicações hemorrágicas, a heparina não fracionada continua a ser o anticoagulante preferido tendo em conta uma sobrevida relativamente curta e a possibilidade de reversibilidade se necessário.

A terapêutica antiagregante dupla está recomendada após angioplastia para prevenir a trombose de stent. Relativamente à escolha dos fármacos antiagregantes, o ticagrelor e prasugrel mostraram superioridade na redução de complicações isquémicas após SCA, quando comparados com clopidogrel, mas também estão associados a maior taxa de hemorragia espontânea14,15. Estes fármacos são fortemente recomendados nas orientações europeias de cardiologia para o tratamento do SCA na população geral. No entanto, não existem estudos em doentes hemofílicos, pelo que não devem ser usados nestes doentes.

No presente caso optou‐se por medicar com terapêutica dupla com AAS e clopidogrel durante três meses, após o qual o doente manteve AAS apenas.

No passado, os stents não revestidos (bare metal stents – BMS) precisavam de dupla antiagregação durante 4‐6 semanas enquanto os stents revestidos com fármaco (drug eluting stents – DES) de primeira geração necessitavam de terapia dupla entre seis a 12 meses. Assim, em doentes com risco hemorrágico elevado, eram sempre preferidos os BMS16. No entanto, atualmente, para os DES de nova geração a duração de terapêutica dupla é semelhante àquela exigida para o BMS. Nos estudos RESET17 e OPTIMIZE18 a utilização de dupla‐antiagregação durante três meses mostrou não ser inferior em termos de segurança durante um período de seguimento de um ano.

No presente caso optou‐se por utilização de DES, apesar dos poucos relatos existentes até agora da sua utilização em doentes hemofílicos, depois de definidos níveis mínimos de segurança de FVIII. Não se verificaram complicações hemorrágicas provavelmente pela monitoração laboratorial rigorosa e pela vigilância multidisciplinar.

De acordo com as recomendações europeias, em doentes com risco hemorrágico elevado a duração da dupla antiagregação deve ser mantida durante o mínimo tempo possivel19. No entanto, não existe evidência relativa a doentes com discrasias hemorrágicas, visto que estes são excluídos da maioria dos estudos. No consenso de peritos publicado pelo ADVANCE Working Group é sugerida a manutenção de dupla antiagregação durante um mês, contudo apenas mencionada a utilização de BMS9. Também a utilização de dupla antiagregação durante um mês com DES já foi avaliada mas apenas com stents específicos – Endeavour sprint e BioFreedom20,21. Apesar de estes estudos terem incluído doentes com SCA, as guidelines europeias consideram que a terapia dupla durante um mês deve ser restrita a doentes com doença coronária estável e risco hemorrágico elevado (classe IIb)19. Assim, neste caso, tratando‐se de uma síndrome coronária aguda, risco significativo de trombose de stent associado a uma lesão crítica da DA, para além da indisponibilidade dos stents acima mencionados e uma vez que o doente iria manter seguimento rigoroso em Hospital de Dia de Imuno‐Hemoterapia foi decidido manter antiagregação dupla durante três meses”.

Quanto à terapêutica adjuvante, para além da medicação habitual para controlo dos fatores de risco e dos fármacos modificadores de prognóstico, a adição de inibidor da bomba de protões também está recomendado nestes doentes9,19.

Apesar de a maioria das angioplastias descritas em doentes hemofílicos terem sido realizadas por via femoral com segurança, neste doente a coronariografia foi realizada por via radial direita. Este é o acesso recomendado, se tecnicamente possível, uma vez que é um vaso de menor calibre e periférico, permitindo uma hemostase mais fácil e minimizando complicações hemorrágicas, sem comprometer o sucesso do procedimento.

Em conclusão, os autores descrevem o caso clínico de um doente com angina instável e diagnóstico de hemofilia A grave, o qual foi submetido a ICP da artéria descendente anterior com sucesso, sob terapêutica com FVIII, tendo tido a possibilidade de fazer terapêutica médica convencional com dupla antiagregação sem qualquer complicação hemorrágica.

Apesar das recomendações publicadas pela Sociedade Europeia de Cardiologia se basearem em estudos que excluíram doentes com discrasias hemorrágicas, este caso é exemplo de que doentes hemofílicos, se adequadamente avaliados, tratados e monitorados, e apesar do elevado risco hemorrágico, podem ter acesso às mesmas intervenções terapêuticas dos doentes não hemofílicos e de acordo com o estado da arte para o SCA.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
[1]
G.C. White 2nd, F. Rosendaal, L.M. Aledort, et al.
Definitions in hemophilia Recommendation of the scientific subcommittee on factor VIII and factor IX of the scientific and standardization committee of the International Society on Thrombosis and Haemostasis.
Thromb Haemost., 85 (2001), pp. 560
[2]
S.C. Darby, S.W. Kan, R.J. Spooner, et al.
Mortality rates, life expectancy, and causes of death in people with hemophilia A or B in the United Kingdom who were not infected with HIV.
[3]
J. Wight, S. Paisley.
The epidemiology of inhibitors in haemophilia A: a systematic review.
Haemophilia., 9 (2003), pp. 418-435
[4]
A. Coppola, C. Santoro, A. Tagliaferri, et al.
Understanding inhibitor development in haemophilia A: towards clinical prediction and prevention strategies.
Haemophilia., 16 (2010), pp. 13-19
[5]
S.C. Gouw, H.M. van den Berg, K. Fischer, et al.
Intensity of factor VIII treatment and inhibitor development in children with severe hemophilia A: the RODIN study.
Blood., 121 (2013), pp. 4046-4055
[6]
B.A. Konkle, C. Kessler, L. Aledort, et al.
Emerging clinical concerns in the ageing haemophilia patient.
Haemophilia., 15 (2009), pp. 1197-1209
[7]
P. Holme, C. Combescure, E. Berntorp, et al.
A cross‐sectional study of comorbidities and hypertension in patients with hemophilia A and B in Europe: Interim results from the H3 study.
Haemophilia, 20 (2014), pp. 63
[8]
R. Kulkarni, J.M. Soucie, B. Evatt.
Renal disease among males with haemophilia.
Haemophilia., 9 (2003), pp. 703-710
[9]
P. Staritz, P. de Moerloose, R. Schutgens, et al.
Applicability of the European Society of Cardiology guidelines on management of acute coronary syndromes to people with haemophilia ‐ an assessment by the ADVANCE Working Group.
Haemophilia., 19 (2013), pp. 833-840
[10]
C.R.M. Hay, B. Palmer, E. Chalmers, et al.
Incidence of factor VIII inhibitors throughout life in severe hemophilia A in the United Kingdom.
Blood., 117 (2011), pp. 6367-6370
[11]
S.C. Gouw, J.G. van der Bom, H. Marijke van den Berg.
Treatment‐related risk factors of inhibitor development in previously untreated patients with hemophilia A: the CANAL cohort study.
Blood., 109 (2007), pp. 4648-4654
[12]
U.K. Arora, M. Dhir, G. Cintron, et al.
Successful multi‐vessel percutaneous coronary intervention with bivalirudin in a patient with severe hemophilia A: a case report and review of literature.
J Invasive Cardiol [Internet]., 16 (2004), pp. 330-332
[13]
M.A. Krolick.
Successful percutaneous coronary intervention in a patient with severe haemophilia A using bivalirudin as the sole procedural anticoagulant.
Haemophilia., 11 (2005), pp. 415-417
[14]
S.D. Wiviott, E. Braunwald, C.H. McCabe, et al.
Prasugrel versus Clopidogrel in Patients with Acute Coronary Syndromes.
N Engl J Med [Internet]., 357 (2007 15), pp. 2001-2015
[15]
L. Wallentin, R.C. Becker, A. Budaj, et al.
Ticagrelor versus Clopidogrel in Patients with Acute Coronary Syndromes.
N Engl J Med [Internet]., 361 (2009 Sep 10), pp. 1045-1057
[16]
S. Windecker, P. Kolh, F. Alfonso, et al.
2014 ESC/EACTS Guidelines on myocardial revascularization: The Task Force on Myocardial Revascularization of the European Society of Cardiology (ESC) and the European Association for Cardio‐Thoracic Surgery (EACTS)Developed with the special contribution o.
Eur Heart J., 35 (2014), pp. 2541-2619
[17]
F. Feres, R.A. Costa, A. Abizaid, et al.
Three vs twelve months of dual antiplatelet therapy after zotarolimus‐eluting stents: the OPTIMIZE randomized trial.
JAMA., 310 (2013), pp. 2510-2522
[18]
B.-K. Kim, M.-K. Hong, D.-H. Shin, et al.
A new strategy for discontinuation of dual antiplatelet therapy: the RESET Trial (REal Safety and Efficacy of 3‐month dual antiplatelet Therapy following Endeavor zotarolimus‐eluting stent implantation).
J Am Coll Cardiol., 60 (2012), pp. 1340-1348
[19]
M. Valgimigli, H. Bueno, R.A. Byrne, et al.
2017 ESC focused update on dual antiplatelet therapy in coronary artery disease developed in collaboration with EACTSThe Task Force for dual antiplatelet therapy in coronary artery disease of the European Society of Cardiology (ESC) and of the European As.
Eur Heart J [Internet]., 39 (2018), pp. 213-260
[20]
P. Urban, I.T. Meredith, A. Abizaid, et al.
Polymer‐free Drug‐Coated Coronary Stents in Patients at High Bleeding Risk.
N Engl J Med., 373 (2015), pp. 2038-2047
[21]
M. Valgimigli, A. Patialiakas, A. Thury, E. McFadden, S. Colangelo, G. Campo, et al.
Zotarolimus‐eluting versus bare‐metal stents in uncertain drug‐eluting stent candidates.
J Am Coll Cardiol., 65 (2015), pp. 805-815
Copyright © 2021. Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Idiomas
Revista Portuguesa de Cardiologia

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

Ao assinalar que é «Profissional de Saúde», declara conhecer e aceitar que a responsável pelo tratamento dos dados pessoais dos utilizadores da página de internet da Revista Portuguesa de Cardiologia (RPC), é esta entidade, com sede no Campo Grande, n.º 28, 13.º, 1700-093 Lisboa, com os telefones 217 970 685 e 217 817 630, fax 217 931 095 e com o endereço de correio eletrónico revista@spc.pt. Declaro para todos os fins, que assumo inteira responsabilidade pela veracidade e exatidão da afirmação aqui fornecida.