Informação da revista
Vol. 37. Núm. 7.
Páginas 583-584 (Julho 2018)
Vol. 37. Núm. 7.
Páginas 583-584 (Julho 2018)
Comentário editorial
Open Access
O fenómeno migratório e fatores de risco cardiovascular
The phenomenon of migration and cardiovascular risk factors
Visitas
...
Manuel Campeloa,b
a Serviço de Cardiologia, Centro Hospitalar de S. João, EPE, Porto, Portugal
b Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, Porto, Portugal
Conteúdo relacionado
Liliana Tavares, Conceição Calhau, Jorge Polónia
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

A questão das migrações assume um caráter universal e continua presente nos tempos atuais1. Associado a essas migrações, aparecem, não raramente, problemas de adaptação que podem originar um aumento do risco cardiovascular.

É sabido que a grande maioria dos países em desenvolvimento não dispõe de sistemas de registo fidedigno que permitam avaliar, quer índices de mortalidade, quer a quantificação dos fatores de risco cardiovascular no mundo real. A carga real das doenças cardiovasculares nesses países, assim como projeções para o futuro, têm que ser baseadas em registos locais ou inferências doutros países da região com dados apropriados, por exemplo2.

No entanto, e paradoxalmente, a carga das doenças cardiovasculares de pessoas de ascendência africana a viver nos Estados Unidos, e em menor grau nas Caraíbas e no Reino Unido, tem sido objeto de numerosos estudos nos últimos 50 anos. A título de exemplo, sabe‐se que os americanos negros têm taxas de hipertensão cerca de 50% mais elevadas e, como consequência, um aumento significativo da mortalidade por acidente vascular cerebral3,4.

Alguns estudos já compararam populações africanas e europeias5 e outros já mostraram aumento do risco cardiovascular em imigrantes para o continente europeu6,7; no entanto, ao pesquisar globalmente a literatura, fica‐se com a impressão de que esse assunto parecer ter sido abordado com mais profundidade na comunidade americana e afro‐americana1,2 do que na europeia.

O trabalho de Tavares8, publicado neste número da Revista Portuguesa de Cardiologia, aborda, de uma forma original e inédita, a questão do perfil de risco cardiovascular e da integração social de estudantes universitários de um país africano (Cabo Verde) a viver em Portugal, compara‐os com o perfil de estudantes portugueses brancos e com o perfil de estudantes cabo‐verdianos a viver em Cabo Verde.

Verificaram‐se alguns sinais sugestivos de má adaptação dos estudantes cabo‐verdianos a viver em Portugal: menor atividade física, abuso de drogas mais frequente, queixas mais frequentes relativas à dificuldade de integração e sinais de dificuldades económicas, em comparação com os outros dois grupos.

O estudo revela ainda que, mesmo após um curto período de permanência como imigrantes em Portugal, aquele grupo de estudantes africanos mostra já alterações significativas do perfil de risco cardiovascular, tais como valores mais elevados de pressão arterial, de peso corporal, de ingestão de sal, de rigidez aórtica e de albuminuria, quando comparados com indivíduos nascidos e residentes no país de destino. Se comparados com indivíduos nascidos e residentes no país de origem, também se verificou um aumento de ingestão de sal, peso corporal e albuminuria.

Como os autores referem, o aumento do risco cardiovascular verificado nessa população estará relacionado com dificuldades na adaptação ao novo país e com adoção de hábitos de vida menos saudáveis, o que pode justificar a tomada de medidas preventivas e precoces, no sentido de impedir ou atenuar esse aumento de risco.

Este estudo tem ainda duas particularidades: mostra‐nos o aumento do risco cardiovascular numa população jovem, com esperança de vida de várias décadas; não sendo fácil a modificação de comportamentos, será de supor que a persistência no tempo desses fatores de risco irá comprometer a saúde cardiovascular anos mais tarde, o que é preocupante para a comunidade9.

Por outro lado, não deixa de ser curioso que o nível de educação diferenciado e elevado dessa população de estudantes universitários, que poderia funcionar como uma proteção contra influências negativas da mudança de ambiente, acabe por não ter esse efeito; de facto, e como os autores também salientam, apareceram alterações significativas do perfil de risco, mesmo com a curta estada num país estranho.

Sabe‐se que existem vários fatores de ordem social, cultural e económica que contribuem para o desenvolvimento, a manutenção e a alteração dos padrões de comportamento perante a saúde. Mas, o que importa salientar, é que a adoção de comportamentos e estilos de vida saudáveis demonstrou reduzir o risco de doenças cardiovasculares10. Nesse sentido, tem sido dado realce a um outro aspeto, o conhecimento dos fatores de risco modificáveis, que não foi especificamente abordado neste estudo. De facto, esse conhecimento parece ser um requisito para modificação de comportamentos. De acordo com modelos de comportamento para a saúde, o conhecimento das consequências negativas para a saúde de um determinado comportamento é uma condição necessária, embora não necessariamente suficiente, para a sua alteração11–13.

Essa vertente do conhecimento deverá ser tida em conta nas medidas a tomar para controlo dos fatores de risco cardiovascular.

Globalmente, este trabalho contribui, indubitavelmente, para aprofundar o conhecimento do risco cardiovascular em migrantes do continente europeu e abre portas a outros estudos nesta área.

Conflitos de interesse

O autor declara não haver conflitos de interesse.

Bibliografia
[1]
S. Baharian, M. Barakatt, C.R. Gignoux, et al.
The Great Migration and African‐American Genomic Diversity.
PLoS Genet., 12 (2016), pp. e1006059
[2]
L. Dugas, T. Forrester, J. Plange-Rhule, et al.
Cardiovascular risk status of Afro‐origin populations across the spectrum of economic development: findings from the Modeling the Epidemiologic Transition Study.
BMC Public Health, 17 (2017), pp. 438
[3]
G. Howard, R. Anderson, P. Sorlie, V. Andrews, E. Backlund, G.L. Burke.
Ethnic differences in stroke mortality between non‐Hispanic whites, Hispanic whites, and blacks. The National Longitudinal Mortality Study.
Stroke, 25 (1994), pp. 2120-2125
[4]
N. Borhani.
Changes and geographic distribution of mortality from cerebrovascular disease.
Am J Public Health Nations Health, 55 (1965), pp. 673-681
[5]
J. Polónia, T. Madede, J.A. Silva, J. Mesquita-Bastos, A. Damasceno.
Ambulatory blood pressure monitoring profile in urban African black and European white untreated hypertensive patients matched for age and sex.
Blood Pressure Monitoring, 19 (2014), pp. 192-198
[6]
C. Lepoutre-Lussey, P.F. Plouin, O. Steichen.
Cardiovascular risk factors in hypertensive patients born in Northern Africa and living in France.
Blood Press., 19 (2010), pp. 75-80
[7]
S. Harding, A. Teyhan, M. Rosato, P. Santana.
All cause and cardiovascular mortality in African migrants living in Portugal: evidence of large social inequalities.
Eur J Cardiovasc Prev Rehabil., 15 (2008), pp. 670-676
[8]
L. Tavares, C. Calhau, J. Polónia.
Assessment of cardiovascular risk and social framework of Cape Verdean university students studying in Portugal.
Rev Port Cardiol., 37 (2018), pp. 577-582
[9]
W. Herrington, B. Lacey, P. Sherliker, J. Armitage, S. Lewington.
Epidemiology of atherosclerosis and the potential to reduce the global burden of atherothrombotic disease.
Circ Res., 118 (2016), pp. 535-546
[10]
P.J. Elmer, E. Obarzanek, W.M. Vollmer, et al.
Effects of comprehensive lifestyle modification on diet, weight, physical fitness, and blood pressure control: 18‐Month results of a randomized trial.
Ann Intern Med., 144 (2006), pp. 485-495
[11]
A.C. Gielen, D. Sleet.
Application of behavior‐change theories and methods to injury prevention.
Epidemiol Rev., 25 (2003), pp. 65-76
[12]
C.J. Homko, W.P. Santamore, L. Zamora, et al.
Cardiovascular disease knowledge and risk perception among underserved individuals at increased risk of cardiovascular disease.
J Cardiovasc Nurs., 23 (2008), pp. 332-337
[13]
R.A. Pollitt, K.M. Rose, J.S. Kaufman.
Evaluating the evidence for models of life course socioeconomic factors and cardiovascular outcomes: A systematic review.
BMC Public Health., 5 (2005), pp. 7
Copyright © 2018. Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Idiomas
Revista Portuguesa de Cardiologia

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

Ao assinalar que é «Profissional de Saúde», declara conhecer e aceitar que a responsável pelo tratamento dos dados pessoais dos utilizadores da página de internet da Revista Portuguesa de Cardiologia (RPC), é esta entidade, com sede no Campo Grande, n.º 28, 13.º, 1700-093 Lisboa, com os telefones 217 970 685 e 217 817 630, fax 217 931 095 e com o endereço de correio eletrónico revista@spc.pt. Declaro para todos os fins, que assumo inteira responsabilidade pela veracidade e exatidão da afirmação aqui fornecida.