Informação da revista
Vol. 31. Núm. 4.
Páginas 321-322 (Abril 2012)
Partilhar
Partilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 31. Núm. 4.
Páginas 321-322 (Abril 2012)
Imagem em Cardiologia
Open Access
Cardiodesfibrilhador implantável com elétrodo de choque subcutâneo adicional
Cardio-defibrillator with an additional subcutaneous electrode shock
Visitas
...
Bruno Cordeiro Piçarraa,??
Autor para correspondência
bcpicarra@hotmail.com

Autor para correspondência.
, Pedro Silva Cunhab, Mário Oliveirab, Manuel Nogueira da Silvab, José Manuel Conceiçãob, Rui Cruz Ferreirab
a Serviço de Cardiologia, Hospital do Espírito Santo, Évora, Portugal
b Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta, Lisboa, Portugal
Informação do artigo
Texto Completo
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (3)
Mostrar maisMostrar menos
Texto Completo

O teste de desfibrilhação efetuado durante a implantação de cardiodesfibrilhador (CDI) avalia a eficácia do dispositivo na deteção e interrupção de fibrilhação ventricular (FV). A margem de segurança considerada adequada é de 10 Joules (J) acima do valor mínimo testado. Mais recentemente, a utilidade deste teste tem sido contestada por diversos autores no contexto de prevenção primária.

Apresentamos as imagens de um caso, raro na atualidade, de um doente com necessidade de implantação de eletrocateter de choque adicional em localização subcutânea no hemitórax esquerdo por impossibilidade de interrupção de FV durante o teste de desfibrilhação.

Doente do sexo masculino, de 60 anos, com antecedentes de hipertensão arterial e enfarte agudo do miocárdio (EAM) anterior extenso em 1997. Seis anos após o EAM e na sequência de episódio sincopal, foi documentada a presença de taquicardia ventricular (TV) monofórmica com intervalo R-R de 320 milisegundos (ms). O ecocardiograma revelou ventrículo esquerdo dilatado, de paredes não espessadas com deficiente função sistólica global (fração de ejeção de 35%) e presença de discinésia apical, acinesia dos segmentos medianos e hipocinésia dos segmentos basais da parede anterior e septo anterior. No cateterismo cardíaco verificou-se oclusão crónica proximal da descendente anterior e estenose de 25% do segmento proximal da circunflexa. Implantou CDI Guidant® MINI II para prevenção secundária. Durante a implantação do CDI, constataram-se limiares de desfibrilhação elevados, o que levou à necessidade de implantação de um elétrodo de choque adicional subcutâneo array para alargamento da área de aplicação do choque (Figuras 1–3).

Figura 1.

Radiografia de tórax póstero-anterior. As setas amarelas mostram os eletrocateteres subcutâneos do array e a vermelha o eletrocateter intracavitário.

(0,06MB).
Figura 2.

Radiografia de tórax perfil esquerdo. As setas mostram os eletrócateteres subcutâneos do array.

(0,04MB).
Figura 3.

Radiografia de tórax perfil direito. As setas amarelas mostram os eletrocateteres subcutâneos do array e as vermelhas o eletrocater intracavitário.

(0,06MB).

Em 2002, foi submetido, eletivamente, a substituição de gerador por exaustão com implantação de CDI CPI Prizm 2 VR, tendo efetuado testes de desfibrilhação com sucesso com choque de 20 Joules.

Conflito de interesses

Os autores declaram não haver conflito de interesses.

Copyright © 2011. Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Idiomas
Revista Portuguesa de Cardiologia

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

Ao assinalar que é «Profissional de Saúde», declara conhecer e aceitar que a responsável pelo tratamento dos dados pessoais dos utilizadores da página de internet da Revista Portuguesa de Cardiologia (RPC), é esta entidade, com sede no Campo Grande, n.º 28, 13.º, 1700-093 Lisboa, com os telefones 217 970 685 e 217 817 630, fax 217 931 095 e com o endereço de correio eletrónico revista@spc.pt. Declaro para todos os fins, que assumo inteira responsabilidade pela veracidade e exatidão da afirmação aqui fornecida.