Informação da revista
Vol. 36. Núm. 11.
Páginas 799-800 (Novembro 2017)
Vol. 36. Núm. 11.
Páginas 799-800 (Novembro 2017)
Editorial
Open Access
A liberdade dos clínicos e a arte do impossível
The freedom of clinicians and the art of the impossible
Visitas
...
Hugo Madeiraa,b
a Ex‐presidente da Federação das Sociedades de Cardiologia de Língua Portuguesa
b Centro Cardiovascular da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

A hipertensão arterial sistémica – que na linguagem corrente designamos simplesmente por hipertensão – é considerada o principal (e o mais comum) fator de risco de morte e incapacidade nas doenças não transmissíveis.1,2 A sua prevalência na Europa varia entre 30 e 45%.3 Nos Estados Unidos, dois terços dos adultos com mais de 60 anos são hipertensos.4 No sul da Ásia e na África subsaariana, a hipertensão tem crescido rapidamente.5 Recentemente, a prevalência mundial da hipertensão foi estimada em 31%.6

Nas últimas três décadas têm surgido muitos fármacos eficazes e seguros para o tratamento dos hipertensos. No entanto, apesar de se saber que a redução da pressão arterial em apenas 10mmHg nesses doentes pode, ao longo da vida, reduzir o risco de morte cardiovascular e acidente vascular cerebral entre 25 e 40%,7 subsiste a controvérsia sobre qual o valor limiar ou valor alvo a conseguir nos adultos hipertensos em geral e nos idosos em particular. Além disso, muitos doentes, apesar de tratados, permanecem mal controlados, não se atingindo os valores alvos das Recomendações das ESC/ESH3 ou os sugeridos como resultado do estudo Sprint.8

Estão publicadas muitas Guidelines/Recomendações para o diagnóstico e tratamento da hipertensão, quer por sociedades científicas quer por outros organismos públicos, internacionais e nacionais, mas nem nessas há um consenso absoluto. Entre os valores para a pressão arterial sistólica originalmente propostos pelo 5th Joint National Committee (< 140mmHg)9 e os que emergiram com o estudo Sprint (< 120mmHg), há uma faixa de indecisão/decisão e, embora se acredite que «menor pressão é melhor» para a generalidade dos doentes, é aos clínicos que compete decidir.

As recomendações em medicina, originalmente guias de prática clínica que sugerem uma abordagem para o tratamento de situações clínicas difíceis, deixavam aos clínicos a liberdade de ajustar a terapêutica de acordo com a especificidade do paciente. Por exemplo, no caso da hipertensão, poderiam decidir‐se por uma maior «agressividade» terapêutica em doentes mais jovens, mesmo se assintomáticos, e serem mais conservadores (se admitirmos valores de pressão arterial sistólica mais altos) em idosos, supostamente – o que ainda é matéria de discussão – mais susceptíveis de terem complicações decorrentes do próprio tratamento.

Essa flexibilidade terapêutica inicial tem‐se vindo a esbater, ainda que não de forma explícita. As recomendações, escritas e editadas com base em estudos por vezes diversos do mundo real, passaram a definir o que os clínicos devem fazer em cada circunstância, sob pena de a sua atuação poder ser considerada má prática clínica. Em suma, as «Recomendações» passaram a ser «Diretrizes» e a mudança semântica na língua portuguesa diz muito.

Não será, pois, descabido relembrar que ao médico assistente caberá sempre, consideradas as características do seu doente – risco cardiovascular, bem‐estar geral, fragilidades e opções – e ponderados os inconvenientes resultantes de eventuais efeitos adversos do tratamento, tomar as melhores decisões.

É nesse panorama que foram criadas as diretrizes que hoje se publicam, destinadas ao espaço da cardiologia de língua portuguesa e sua federação. A Federação das Sociedades de Cardiologia de Língua Portuguesa (FSCLP – www.fsclp.org) foi criada em 2014 com o objetivo principal de «promover o desenvolvimento da cardiologia ao serviço da população dos países e territórios onde a língua portuguesa é oficial» – (estatutos, artigo 4.°). Precedendo a sua fundação, foram feitas Jornadas Lusófonas de Cardiologia em Cabo Verde (2009) e em Moçambique (2011). O I Congresso da FSCLP teve lugar em Portugal (2016); o II Congresso vai ocorrer no Brasil, em novembro de 2017.

Nos estatutos já referidos são enunciadas, de forma sucinta, as vias para a concretização do objetivo principal, marcando como prioritários: o estímulo ao estudo e à investigação de problemas científicos das doenças cardiovasculares; a análise dos aspetos sociais das cardiopatias e da prevenção e assistência aos doentes; e a promoção do estreitamento das relações entre os médicos das sociedades e comunidades de língua portuguesa, que se dedicam à cardiologia. Numa palavra, trata‐se de desenvolver a lusofonia cardiológica.

Criar para a FSCLP e seu espaço mais umas diretrizes10, que não repitam o que já está escrito, afigurava‐se um desafio impossível. E no entanto estas diretrizes para “Cuidados Primários em Hipertensão nos Países de Língua Portuguesa” surgem virtuosas. Primeiramente, retratam fielmente a realidade do espaço lusófono, com suas similitudes e diferenças. Em segundo lugar, evitando considerandos excessivos, não têm omissões dos aspetos essenciais de que tratam. Em terceiro lugar – e de forma decisiva – acentuam muito bem a importância da prevenção e do tratamento da hipertensão nos cuidados primários de saúde, afinal o seu objetivo. Por último, têm em conta as características médicas, sociais e económicas do espaço a que se destinam.

Há ainda um outro mérito muito significativo nesse documento: essas diretrizes,10 aqui publicadas, constituem o primeiro trabalho científico e pedagógico produzido pela FSCLP e isso deve ser relevado. Com ele, pretende‐se cumprir objetivos da FSCLP e no caso específico dar um poderoso passo para o início de um «processo continuado, envolvendo fundamentalmente ações de educação, de mudanças de estilo de vida e garantia de acesso aos medicamentos» na área da hipertensão, como é afirmado no próprio documento.

Os autores dessas diretrizes delinearam com arte o que parecia impossível.

Bibliografia
[1]
S.S. Lim, T. Vos, A.D. Flaxman, et al.
A comparative risk assessment of burden of disease and injury attributable to 67 risk factors and risk factor clusters in 21 regions, 1990‐2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010.
Lancet, 380 (2012), pp. 2224-2260
[2]
C.J. Murray, T. Vos, R. Lozano, et al.
Disability‐adjusted life years (DALYs) for 291 diseases in 21 regions, 1990‐2010: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2010.
Lancet, 380 (2012), pp. 2197-2223
[3]
G. Mancia, R. Fagard, K. Narkiewicz, et al.
2013 ESH/ESC guidelines for the management of arterial hypertension: the Task Force for the Management of Arterial Hypertension of the European Society of Hypertension (ESH) and of the European Society of Cardiology (ESC).
Eur Heart J, 34 (2013), pp. 2159-2219
[4]
A.S. Go, D. Mozaffarian, V.L. Roger, et al.
American Heart Association Statistics Committee and Stroke Statistics Subcommittee. Heart disease and stroke statistics – 2013 update: a report from the American Heart Association.
Circulation, 127 (2013), pp. e6-e245
Erratum in: Circulation. 2013;127:e841
[5]
NCD Risk Factor Collaboration (NCD‐RisC).
Worldwide trends in blood pressure from 1975 to 2015: a pooled analysis of 1479 population‐based measurement studies with 19.1 million participants.
Lancet, 39 (2017),
37‐35
[6]
K.T. Mills, J.D. Bundy, T.N. Kelly, et al.
Global disparities of hypertension prevalence and control: a systematic analysis of population‐based studies from 90 countries.
Circulation, 134 (2016), pp. 441-450
[7]
M.R. Law, J.K. Morris, N.J. Wald.
Use of blood pressure lowering drugs in the prevention of cardiovascular disease: meta‐analysis of 147 randomised trials in the context of expectations from prospective epidemiological studies.
BMJ, 338 (2009), pp. b1665
[8]
J.T. Wright Jr., J.D. Williamson, P.K. Whelton, et al.
SPRINT Research Group. A randomized trial of intensive versus standard blood‐pressure control.
N Eng J Med, 373 (2015), pp. 2103-2116
[9]
The fifth report of The Joint National Committee on Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Pressure (JNC V).
Arch Intern Med, 153 (1993), pp. 154-183
[10]
G.M. Oliveira, J.C. Morais, M.F. Mendes, et al.
Diretrizes para cuidados primários em hipertensão arterial nos países de Língua Portuguesa.
Arq Bras Cardiol, 109 (2017), pp. 389‐96
Copyright © 2017. Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Idiomas
Revista Portuguesa de Cardiologia

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt

Are you a health professional able to prescribe or dispense drugs?

Você é um profissional de saúde habilitado a prescrever ou dispensar medicamentos

Ao assinalar que é «Profissional de Saúde», declara conhecer e aceitar que a responsável pelo tratamento dos dados pessoais dos utilizadores da página de internet da Revista Portuguesa de Cardiologia (RPC), é esta entidade, com sede no Campo Grande, n.º 28, 13.º, 1700-093 Lisboa, com os telefones 217 970 685 e 217 817 630, fax 217 931 095 e com o endereço de correio eletrónico revista@spc.pt. Declaro para todos os fins, que assumo inteira responsabilidade pela veracidade e exatidão da afirmação aqui fornecida.